21 dezembro 2009

Dor Abdominal - Gastro - português

Dor abdominal

Nomes alternativos:

Cólicas abdominais; dor na barriga; dor no abdome; dor de estômago.

Definição:

Dor abdominal localizada (geralmente chamada de dor de estômago) ou difusa.

Considerações gerais:

A dor abdominal é um sintoma inespecífico que pode estar associado a uma variedade de quadros clínicos. Algumas dores não ocorrem propriamente no abdome, mas causam desconforto abdominal. Um exemplo seria a dor abdominal associada a infecção estreptocócica da garganta. Outras, como a dilatação aneurismática da aorta, se originam no abdome, mas não estão relacionadas ao trato gastrintestinal. Algumas dores estão diretamente relacionadas com o trato gastrointestinal.

A intensidade da dor nem sempre reflete a severidade do quadro causador. Dores abdominais severas podem estar associadas a quadros não-graves, como gases ou cólicas por uma gastroenterite viral, enquanto dores relativamente leves (ou ausente) podem estar relacionadas a quadros graves, com risco de vida, como câncer de cólon ou fase inicial de uma apendicite.

A dor abdominal pode ser causada por toxinas, infecção, doença do trato biliar, doença hepática, doença renal, infecção urinária, menstruação, ovulação, doença do sistema genitourinário masculino e feminino, problemas vasculares, neoplasias, úlceras, perfurações, doença pancreática, hérnias, trauma e doenças metabólicas. A relação é tão extensa que seria impossível nomear todas as doenças de cada um dos grupos acima.

Como a dor abdominal é inespecífica, o médico necessitará de informações detalhadas referentes ao início da dor, duração da dor (minutos, horas, dias, ou mesmo meses), local da dor, natureza da dor (insidiosa, aguda, contínua, em cólica, intermitente), severidade da dor e a relação da dor com as funções normais, como a menstruação e a ovulação.

A localização e a evolução da dor podem ajudar na identificação da causa. Durante o exame físico, o médico irá tentar determinar se a dor é restrita a uma área (ponto de maior sensibilidade) ou difusa, e se está relacionada com a inflamação do peritôneo ou do abdome. Se o médico encontrar evidências de inflamação peritoneal, a dor abdominal poderá ser classificada como "abdome agudo", o que geralmente requer intervenção cirúrgica imediata.

O médico também irá tentar relacionar o desconforto abdominal com outros sintomas gerais como febre, fadiga, mal-estar geral (astenia), náusea, vômito ou alterações nas fezes. O médico, então, fará perguntas cada vez mais específicas sobre os sintomas à medida que se aproxima do diagnóstico.

Nos bebês, os choros prolongados sem motivos aparentes (geralmente chamados de "cólicas") podem ser causados por dor abdominal e tendem a desaparecer após a eliminação de gases ou fezes. Geralmente, as cólicas se iniciam na terceira semana de vida e pioram por volta do terceiro ou quarto mês. As cólicas sempre pioram à noite. Afagar e embalar a criança podem trazer algum alívio.

Dores abdominais severas que ocorrem durante a menstruação podem sugerir um problema no sistema reprodutivo. Isto inclui doenças como endometriose, mioma uterino, cisto ovariano, câncer de ovário (raro) ou doença inflamatória pélvica.

As dores abdominais que podem indicar uma potencial situação de emergência são:

* dor abdominal severa com náusea e febre
pode indicar apendicite ou complicações de diverticulite
* dor abdominal, náusea, febre, distensão ou constipação
pode indicar obstrução intestinal
* dor abdominal acompanhada de rigidez abdominal ("abdome em tábua")
pode indicar peritonite
* dor abdominal acompanhada de fezes sanguinolentas ou vômitos com sangue
sangramento gastrointestinal pode ser perigoso em qualquer situação

Causas comuns:

Abaixo estão relacionadas as causas mais comuns de dor abdominal. É importante ressaltar que nesta relação aparecem relativamente poucas doenças graves.

* infecção vesical
* colecistite e/ou cálculos biliares
* cólicas nos bebês (bebês até 4 meses)
* excesso de gases
* endometriose
* alergia alimentar
* intoxicação alimentar (salmonella, shigella)
* hérnia
* indigestão
* cálculos renais
* intolerância à lactose (intolerância ao leite)
* cólica menstrual
* cistos ovarianos
* doença inflamatória pélvica (DIP)
* pneumonia (em crianças)
* dor abdominal recorrente (geralmente em crianças e adolescentes; um tipo de distúrbio de somatização em que alterações emocionais se refletem em desconforto físico)
* faringite estreptocócica (infecção de garganta por estreptococos, pode causar dor abdominal em crianças)
* úlceras
* mioma uterino
* gastroenterite viral (diarréia viral)

As causas menos comuns, porém mais sérias, são:

* câncer ovariano
* câncer de cólon ou outro câncer abdominal
* apendicite
* diverticulite
* obstrução intestinal
* peritonite

Obs.: Esse problema pode ter outras causas. Esta lista não menciona todas as causas, nem as cita por ordem de probabilidade. As causas desse sintoma podem incluir outras doenças e/ou medicamentos. Além disso, as causas podem variar, dependendo da idade e sexo da pessoa afetada, assim como dos seguintes aspectos específicos dos sintomas: características, evolução, fatores agravantes, fatores atenuantes e queixas associadas. Utilize a opção Análise de Sintomas para explorar as explicações possíveis para a ocorrência deste distúrbio, seja isolado ou combinado com outros problemas.

Cuidados em casa:

Para as dores leves, beba água ou líquidos sem resíduos. Evite alimentos sólidos. Os antiácidos podem trazer algum alívio. A menos que prescritos por um médico, evite usar medicamentos narcóticos, aspirina e AINEs para a dor.

Solicite assistência médica se:

* a dor for muito severa
* houve um trauma abdominal nos últimos 2 ou 3 dias
* houver dor durante a gestação (ou possível gestação)
* a dor persistir por tempo prolongado
* houver febre alta e náuseas, ou se for incapaz de ingerir alimentos e líquidos por vários dias
* houver náuseas, febre, distensão ou constipação
* o abdome for doloroso à palpação ou estiver rígido e duro
* vomitar sangue ou houver sangue nas fezes

O que esperar no consultório médico:

Será obtida a história clínica e realizado um exame físico.

A documentação detalhada da história clínica poderá incluir as seguintes perguntas:

* tipo
sente dor em diferentes partes (difusa ou generalizada) ou em um local específico?
* localização (Qual parte do abdome está afetada?)
abdome inferior
+ Fosa Iliaca Direita - quadrante inferior direito
+ Fosa Iliaca Esquerda - quadrante inferior esquerdo
abdome superior
+ Hipocondrio Esquerdo - quadrante superior esquerdo
+ Hipocondrio Direito - quadrante superior direito
+ abdome medial superior (epigástrio)
ao redor do umbigo (periumbilical)
+ Mesogastrio - inicialmente ao redor do umbigo, posteriormente migra para o quadrante inferior direito (altamente sugestiva de apendicite)
* característica
severa
aguda ou espasmódica
persistente ou constante
periódica e variando de intensidade a cada minuto (cólica)
* evolução
a dor desperta você à noite?
a dor é recorrente; apresentou dor semelhante no passado?
+ quanto tempo dura cada episódio (quantas horas)?
+ qual a freqüência da dor (intervalo de quantos dias)?
+ há quanto tempo vem apresentando estas dores (quantos meses de duração)?
aparece alguns minutos após as refeições?
aparece 2 a 3 horas depois das refeições?
tem se tornado cada vez mais severa?
començou de repente?
aparece durante a menstruação (dismenorréia)?
há quanto tempo está presente?
* irradiação
a dor se irradia para as costas?
a dor se irradia para a parte inferior do omoplata (área escapular direita)?
a dor se irradia para a parte mediana das costas?
a dor se irradia para a virilha, nádegas ou pernas?
* fatores agravantes
a dor piora com o decúbito dorsal (posição supina)?
a dor piora com os alimentos ou bebidas?
a dor piora com alimentos gordurosos?
a dor piora com produtos lácteos?
a dor piora com bebidas alcoólicas?
a dor piora com o jejum?
a dor piora com o estresse?
a dor piora com grandes esforços?
* fatores atenuantes
a dor melhora com a ingestão de alimentos?
a dor melhora com a evacuação?
a dor melhora com leite ou antiácidos? Isto ocorre em poucos minutos?
a dor melhora quando evita produtos lácteos?
* medicamentos
quais medicamentos está tomando?
mudou recentemente algum medicamento?
* outros
houve algum taumatismo recente?
está grávida?
quais outros sintomas aparecem concomitantemente?
apresenta febre?
apresenta vômitos?
apresenta diarréia?
apresenta urticária?
apresenta falta de ar?
apresenta sangue nas fezes?
está vomitando sangue?

Será realizado um exame físico com ênfase no abdome. Pode ser necessário observar os casos mais severos em âmbito hospitalar. Se a dor persistir, poderá ser necessária uma reavaliação.

Os exames que podem ser realizados para o diagnóstico incluem:

* enema de bário
* estudo radiológico GI alto
* exames de sangue, urina e fezes
* endoscopia (EDA) do trato GI (gastrointestinal) superior
* fluoroscopia do trato GI inferior
* ultra-som do abdome
* raio X do abdomen

Após a consulta:

O diagnóstico poderá ser incluído em seu registro médico pessoal.